04 Mar20:04

Público transportado no Carnaval é maior do que população de cidades médias

Basta olhar ao redor para perceber que cidade está cheia de gente neste Carnaval. Tomada de turistas e baianos que vieram de todos os cantos para curtir a maior festa de rua do planeta, seja de um bloco, no camarote ou na pipoca, está claro que O Mundo Escolheu Salvador. Um dos indicadores que refletem o quanto o Carnaval deste ano bate recordes de público são os dados do sistema de transporte público e individual de passageiros.

Só para ser uma ideia, em quatro dias de festa, 4.827.738 de passageiros se deslocaram via ônibus convencional, circular, expresso, táxi, mototáxi e ascensores, contra 4.491.191 no ano passado. A diferença é de quase 340 mil pessoas a mais, o equivalente à população de Itabuna e Porto Seguro.

“Contra números não há argumentos. Para que a população entenda, esses números são auferidos do sistema de bilhetagem. Não tem erro. Há alguns carros-chefe da mobilidade que estão transportando as pessoas, como a linha circular gratuita Lapa-Calabar e o Expresso Carnaval”, pontua o titular da Secretaria de Mobilidade (Semob), Fábio Mota.

De quinta (28) até ontem (03), a linha Lapa/Calabar transportou 436.805 passageiros. Ao todo, são 72 veículos circulando gratuitamente, que saem do subsolo da Estação da Lapa até o Calabar. A linha roda durante 24 horas até as 12h da Quarta-feira de Cinzas (6). O ônibus, nomeado "Transfer", é o único a se deslocar na Avenida Centenário durante a festa.

Outro destaque, o Expresso Carnaval transportou nos últimos quatro dias 44.613 pessoas. Nele, o usuário tem a possibilidade de deixar o carro nos shoppings Salvador, Norte ou Paralela e embarcar sem paradas nos principais circuitos da festa, só pagando o estacionamento. No total, cinco linhas exclusivas são alimentadas por 50 ônibus. “São os dois sistemas que mais transportaram em comparação ao Elevador Lacerda, aos planos inclinados, táxis, mototáxis e microônibus do Subsistema de Transporte Especial Complementar (Stec)”, acrescenta Mota.

Outro reflexo da cidade cheia também é observado nas vagas públicas de estacionamento, as chamadas Zona Azul. Apenas ontem (3), 2.148 delas - das quase 3 mil disponibilizadas -, foram utilizadas por condutores que foram com seus veículos para a festa.